Imbróglio, política, hipocrisia…

O assunto esta pra lá de desgastado, esgotado. Desde 1987 discute-se o campeão brasileiro daquele ano. Mais recentemente a discussão esquentou e começou a agregar muito mais complexidade. Vamos falar apenas o suficiente. Os canais de TV mais responsáveis já trataram sobre o assunto com propriedade, assim como PVC fez no seu blog…enfim.

O resumo da ópera é o seguinte:
O ano é 1987, o país é o Brasil e falamos sobre futebol. A CBF declarou à época que não teria dinheiro suficiente para arcar com as despesas de um campeonato nacional, que normalmente organizava. Nesse contexto, os maiores clubes do país se reuniram, fundaram o Clube dos 13 (que hoje tem vinte clubes) e organizaram seu próprio campeonato: a Copa União. No meio do caminho, a CBF resolve fazer acontecer um campeonato próprio. E ai começa a confusão.
Sem olhar para os lados, a Confederação chamou a Copa União de “módulo verde” e o seu campeonato recém organizado de “módulo amarelo“. No primeiro, estava o Inter, São Paulo, Santos, Flamengo, Palmeiras, Corinthians, Atlético Mineiro, e por ai vai. O segundo módulo incluia Sport, Guarani e outros clubes que eram então a segunda divisão. Fazia parte do regulamento que a CBF pretendia, o campeão e vice de cada módulo enfretar os outros, formando um quadrangular final. Exemplo já bastante usado, é como se o campeão e o vice da primeira divisão enfrentassem os da segunda divisão para ver quem levaria o título nacional.
No “módulo amarelo” Guarani e Sport foram os primeiros, sendo o Sport o ‘campeão’ (isso depois de um jogo com empate em 11 a 11 nos penaltis). Já a Copa União, chamada (?) de “módulo verde“, teve o Flamengo e o Inter como primeiros, campeão e vice respectivamente. Foi de comum acordo no Clube dos 13 – que incluia e inclui o São Paulo – que nenhum dos dois enfrentariam nem Sport nem Guarani, sendo o Flamengo o Campeão Brasileiro de 1987.
Primeiro que em 1986 o regulamento previa que os 24 primeiros formariam a primeira divisão em 1987. Sport, Guarani, Santa Cruz, e tantos outros do “módulo amarelo” não alcançaram essas posições caindo, assim, para a segunda divisão. Para além, a elite do futebol estava disputando a Copa União que era televisionado – inclusive os pernambucanos (que hoje clamam pelo título do Sport) assistiram ao tal “módulo verde” sem reclamar.
Não resta dúvidas, o campeão de 1987 é o Clube de Regatas do Flamengo

Campeões posando para foto, Zico estilosão

Mas, engana-se quem acha que acabou. São três imbróglios: o Sport reivindica o título de 87; o São Paulo quer ser o primeiro hexa; Ricardo Teixeira (o Poderoso Chefão da CBF) não gosta de ser contrariado. Fica fácil de termos problemas.
Sobre o Sport, é fácil. É só eles pararem de  estampar no seu site oficial : “INDIVISÍVEL”. Aceitarem termos dois campeões naquele ano, termos o ‘asterisco’ – como disse PVC. Depois do reconhecimento de título da década de 60, e levando em conta o Campeonato Carioca de 1927 (se não me engano com a data), temos vários anos com mais de um campeão aqui ou ali.
Agora, sobre o São Paulo: se o título da Copa União não for reconhecido, o título do Flamengo de 2009 passa a ser o quinto, fazendo do São Paulo o primeiro clube Pentacampeão (hoje já é hexa…sem quiprocós) e detendor da famigerada Taça das Bolinhas. Naquele fatídico ano, o São Paulo fazia parte do Clube dos 13 – que Juvenal Juvêncio ajudou a fundar- e legitimou o título.  O fato é que algumas semanas atrás a CBF decidiu dar a tal Taça das Bolinhas pro Tricolor e eles aceitaram. É no mínimo revoltante tamanha trairagem. Agora, Ricardo Teixeira chamou a Amorim (presidente do Flamengo) para uma reunião e ‘oficializou’ o título de 1987 – depois de 24 anos -, aproveitou também para ‘oficializar’ que a bola é redonda, o campo é retangular e várias coisas que todo mundo já sabia.

Parece vários plugs anais

Curioso é que Flamengo e São Paulo eram aliados ‘contra’ Ricardo Teixeira dentro do Clube dos 13. Votaram em Fábio Koff para presidente do Clube e não em Kléber Leitte (candidato apoiado por Teixeira). Sun Tzu já falava sobre as vantagens de separar o inimigo. Pois foi isso que aconteceu. Juvenal já disse que a Taça das Bolinhas não sai do Morumbi, Patrícia Amorim já quer correr atrás da bendita na justiça. E eu continuo sem entender pra que ter a tal da taça – que além de tudo é feia. Curiosamente ou não, Ricaro Teixeira fez toda essa confusão quando os direitos de TV são negociados. Quando a união do Clube dos 13 é essencial.

E sobre porque dividir os clubes justamente agora é uma cachorragem, recomendo o blog do PVC.

Atualização de última hora: Aqui mesmo nesse post, falei que o Corinthians fez parte da criação do Clube dos 13 em 1987 e que hoje o Clube contava com 20 clubes. Pois é, Andrés acaba de informar que o Timão esta deixando o grupo.

Por Bruno Jeuken

Anúncios

One response to “Imbróglio, política, hipocrisia…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s