O problema não é perder

O problema é COMO se perde!

Eu sou partidário desta tese.

Claro que perder sempre é um problema, mas é peixe pequeno comparado com uma derrota onde um time não mostra competência e nem vontade.

Foi isto o ocorrido ontem na Ressacada, no jogo entre Avaí e São Paulo. O tricolor paulista levou uma virada desconcertante contra uma equipe que entrou muito mais afim de jogo. Fizeram por merecer, parabéns a equipe de Florianópolis!! Se o jogo se repetisse dez vezes, os catarinenses teriam vencido as dez. Dominaram o tricolor boa parte do jogo e quando este teve chances de abrir vantagem, novamente esbarrou no nervosismo, com uma boa dose de falta de pontaria. As finalizações tem sido muito criticadas nas últimas partidas. Nos 4 jogos anteriores, apenas 2 gols marcados (não conto o gol contra de Révson no jogo de ida da Copa do Brasil). A defesa, que a tempos vinha sendo o ponto forte da equipe, dá mostras de fragilidade em momentos decisivos e também não escapa de um critica. Tem perdido nas bolas aéreas por erros de posicionamento e falhas individuais e tem sofrido muito exposição aos ataques adversários porque o meio-campo não tem sido tão cooperativo. Some a isso a má fase de Alex Silva e teremos um péssimo cenário… que deve piorar com as saídas deste e de Miranda na janela do meio do ano.

Pelo descontentamento, ataco as falhas do meu time, mas pelo jogo, exalto a vitória do Avaí que jogou muito bem!!

Mas não para por ai. O técnico Paulo César Carpegiani perdeu o apoio incondicional da diretoria com as duas eliminações seguidas. Ao contrário de Felipão no Palmeiras – que além de ídolo, caiu de pé no Paulista – o treinador do São Paulo optava por um estilo de jogo e por alterações que, a rigor, além de não serem efetivas, desagradaram a torcida que, contrariada, não apoiou mais o modo de trabalho da equipe. Não defendo aqui que o comandante atenda todos os caprichos da torcida, mas é papel dele conseguir impor um estilo de jogo que, mesmo desagradando a maioria, seja eficiente. Resultados fazem com que criticas ao modo de jogar sejam afastadas. Se não consegue montar um time realmente competitivo, então que faça a torcida jogar junto, e utilize esta energia extra a favor do bom futebol.

Não achava ruim, mas também não achava bom.

Mas nada disso aconteceu e o treinador perdeu na dança das cadeiras da profissão. O clube agora deve se apressar ao tentar contratar alguém para o nacional.

O time irá ficar de ressaca até o começo do Brasileirão. O jeito é conversar, modificar o que puder e tentar seguir adianta. Talvez alguns dias de treino, alguns reforços e uma boa conversa sejam suficientes para tornar o time novamente competitivo. Gostaria de acreditar que sim… vamos ver o que virá.

POR YURI MOLEIRO

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s